A estilista Michela Neckel releva o poder feminino por trás da sua marca Mirka

16

Forte, determinada, corajosa, segura. Michela Neckel tem todas as qualidades da marca que assina. Aos 29 anos a ex-executiva da indústria do mobiliário decidiu sair da zona de conforto e se reinventar. Após uma sessão de coaching, ela percebeu que a maioria das características de sua personalidade eram reconhecidas através de sua maneira de vestir. E a moda, que até então não tinha um papel de destaque em sua vida, ganhou um propósito maior. “No mesmo momento em que eu fui descobrindo a Mirka. Eu fui me descobrindo também. Foi um processo de auto conhecimento”, afirma a estilista. E foi assim que começou o processo de criação da marca; uma grife cosmopolita com traços tradicionais de alfaiataria, que trás na – mesmo que recente – história muito mais do que roupas bonitas.

A marca busca o empoderamento feminino, não só nas peças pensadas para dar uma confiança extra na hora de enfrentar os desafios do dia a dia, mas, também contribuindo com a realidade de mulheres do outro lado do mundo, na Indonésia. Para contar melhor essa história é preciso explicar que a produção da coleção Mirka – Black Diamond -, foi feita em Bali, a famosa ilha que é destino preferido dos surfistas e a única que segue a religião hindu, a maior parte da Indonésia é muçulmana. E foi lá, em uma cultura que não tem como tradição dar voz ativa as mulheres, que a marca montou sua primeira equipe de produção, composta, é claro, por elas. Feminista assumida, Michela conta que através da renda, as mulheres conseguem ter mais participação nas decisões familiares, melhorando sua qualidade de vida. Uma equipe ainda pequena, ajudando a construir uma trajetória que está apenas no início e já toca tanta gente.

O intercâmbio cultural também está presente nos tecidos escolhidos para dar forma às criações da estilista. Michela e a sócia, Kadidja Orofino, viajam por toda a Ásia atrás de materiais que se destaquem. Em um mundo de possibilidades, é preciso muita pesquisa e atenção, para reparar em cada opção apresentada. Até mesmo naquela que está tímida, na última prateleira, escondida entre tantas outras. É assim que cada metro ganha significado próprio, e que na composição final dá a marca características únicas. A renda, o veludo, a seda, formam uma coleção marcante, composta por camisas, saias lápis, macacões e blazers, peças pensada para uma mulher independente, livre. “(A liberdade) te dá respeito. Te dá espaço. Te dá a segurança para ser quem você é” ressalta Michela.

Escrito por

Uma jornalista de moda que adora mergulhar na profundidade das coisas e que abomina superficialidades. Principalmente quando dizem que a moda é superficial! Ama um bom cashmere, um acessório marcante e um sapato confortável, sem nunca abrir mão da arte e do design.

DEIXE UM COMENTÁRIO